Teste – VOLKSWAGEN ID.3 PLUS 150 KW 58 KWH – Digno sucessor do Golf?

A Volkswagen lança o seu primeiro modelo elétrico dedicado com o objetivo de oferecer ao mercado um compacto de emissões zero capaz de substituir no futuro o todo-poderoso Golf. Estará o novo ID.3 à altura da responsabilidade? A resposta segue dentro de momentos…

A Volkswagen foi bem clara quando mostrou e lançou o ID.3: é a imagem viva do futuro do Golf. A eletrificação é necessária para cumprir as normas de emissões, e modelos tão reconhecidos como o Golf vão se transformar, mantenham ou não o nome, em veículos de emissões zero que vão chegando ao mercado, como este primeiro membro da família ID. E dizemos família porque ao compacto ID.3 vão seguir-se um SUV ID.4, uma berlina e até um furgão de inspiração retro baseada no desenho do concept ID Buzz. Tudo isto vai acontecer num prazo de dois ou três anos.

Compacto?
Para compreender o ID.3 é preciso colocar diversas questões, e a primeira é se de facto se trata de um compacto. A resposta é afirmativa, até porque é praticamente do tamanho de um Golf, apesar de ser mais alto, o que acaba por lhe conferir uma certa imagem de monovolume. A VW criou para este ID.3 um design futurista e simpático que recorda, até certo ponto, o New Beetle quanto a originalidade. E a verdade é que não deixa ninguém indiferente à sua passagem.

Lá dentro, as semelhanças com um Golf voltam a marca presença, num habitáculo cujo espaço é aproximado, salvo o facto do ID proporcionar um pouco mais de desafogo para as pernas atrás e mais 5 litros de bagageira (385 litros).

Aposta no minimalismo extremo… e também na poupança de custos, como acontece com qualquer elétrico. E isto leva-nos à seguinte pergunta: está à altura do Golf? A resposta é não! Se o Golf se destaca pela qualidade, este ID.3 fraqueja nesse particular.
É bem construído, mas a presença de materiais macios é escassa, ao que soma um minimalismo levado tão ao extremo que quase não existem botões, e os poucos que existem são, na sua maioria, táteis, o que não facilita a utilização. Por exemplo, para baixar os vidros traseiros a partir do lugar do condutor são utilizados os mesmos botões dos dianteiros, pelo que é preciso ativar previamente um seletor Rear.

O painel de instrumentos digital de série é mínimo (não mostra sequer informação sobre os quilómetros totais; é preciso procurá-los no ecrã principal), e o sistema multimédia conta com um ecrã tátil de 10” com controlo por voz (não tão avançado como o MBUX da Mercedes-Benz). O seu desenho inspira-se no de um smartphone, e isso obriga a passar por diversos menus para realizar tarefas tão simples como ativar e desativar um assistente de segurança.

E aqui entramos no campo da tecnologia, onde (aí sim) está à altura do Golf, com um arsenal de ajudas à condução de última geração: cruise control adaptativo, alerta de manutenção na faixa de rodagem, leitor de sinais de trânsito… Inclusive um Head-up display que, em breve, terá funções de realidade aumentada.

Aventura elétrica
Para locomover o seu novo representante, a VW adotou um motor elétrico de 204 CV e 310 Nm de binário, ainda que a gama seja reforçada, em breve, com mecânicas desde os 126 CV. É um carro rápido em termos absolutos, com destaque para a entrega de potência instantânea habitual nos elétricos. Mas, acima de tudo, é suave. Mesmo no modo de condução mais relaxado, o Eco, move-se bem e tem uma reserva de potência suficiente para a estrada.

Com esta bateria, de 58 kWh (a intermédia), a autonomia útil não supera os 250 km, isto se formos realistas. Podem fazer-se 300 km com um consumo médio de 18 kWh/100 km ou mais de 350 em circuito urbano aproveitando ao máximo os benefícios da travagem regenerativa (em cidade é muito eficiente). De resto, é um automóvel robusto e sólido, com um comportamento muito equilibrado e que brinda os passageiros com uma experiência de conforto e isolamento elevada.

Texto Eduardo Lausín
Fotos Paulo Calisto

CONCLUSÃO
Sejamos sinceros, é um bom carro elétrico (salvo o preço algo elevado desta versão intermédia Plus). Tem uma autonomia correta, é confortável, apelativo e não lhe falta quase nada em termos de equipamento. Porém, achamos que o minimalismo extremo aplicado no interior penaliza de certa forma a experiência. O Golf é, definitivamente, mais e melhor carro.

FICHA TÉCNICA
VOLKSWAGEN ID.3 1ST PLUS 150 KW 58 KWH

TIPO DE MOTORElétrico, síncrono de íman permanente
POTÊNCIA204 CV (150 kW)
BINÁRIO MÁXIMO310 Nm
TRANSMISSÃODianteira, automática de 1 velocidade
BATERIAIões de lítio, 58 kWh
AUTONOMIA (WLTP)420 km
TEMPO DE CARGA18,30 horas a AC 3,7 kW (100%)
8,45 horas a AC 7,4 kW (100%)
30 min. a DC 100 kW (80%)
V. MÁXIMA160 km/h (limitada)
ACELERAÇÃO7,3 s (0 a 100 km/h)
CONSUMO (WLTP)13,8 kWh/100 km (misto)
EMISSÕES CO2 (WLTP)0 g/km
DIMENSÕES (C/L/A)4.261 / 1.809 / 1.568 mm
PNEUS215/50 R19
PESO1.794 kg
BAGAGEIRA385 l
PREÇO43.746 €
GAMA DESDE38.017 €
I. CIRCULAÇÃO (IUC)0 €
LANÇAMENTOJunho de 2020

 

Publicidade
ÚLTIMA EDIÇÃO
Lubrificantes Repsol
Publicidade