Portada » Comerciais e Pesados » Scania G320 Hybrid: bipolaridade de peso

Scania G320 Hybrid: bipolaridade de peso

O Scania G320 Hybrid combina a eletricidade e o gasóleo, o que lhe permite reduzir custos de exploração ao circular cerca de 10 km em modo elétrico. Pode também circular por áreas urbanas com restrições por emissões.

Aos habituais obstáculos ao trânsito urbano por questões de peso e de dimensões, somam-se as restrições por questões ambientais. Uma das respostas à necessidade de um transporte sustentável ~e precisamente este camião híbrido que responde pelo nome da Scania G320 Hybrid. Este trata-se de uma camião de distribuição pesada em configuração 6×2 com rodado simples no último eixo, ainda que a marca sueca o proponha em formato 4×2 e 6×2 com rodado duplo fixo no terceiro eixo. Neste caso, os últimos pneus gira em sentido oposto às rodas direcionais dianteiras, o que lhe oferece enorme manobrabilidade na hora de se mover em ruas estreitas ou rotundas uma vez que esta solução técnica ajuda a cortar o percurso de uma forma significativa.

O Scania G320 Hybrid é, aparentemente, um camião rígido como outro qualquer, mas debaixo da sua caixa de carga esconde um sistema de propulsão híbrido que a baixa velocidades permite-lhe circula “a cavalo” de um motor elétrico. A cadeia cinemática conta com um motor convencional de cinco cilindros e nove litros que debita 320 CV e que pode também funcionar com biodiesel. Claro que o cumprimento das normas de emissões é conseguido através do sistema de recirculação de gases de escape EGR.
O sistema de propulsão híbrido, que permite um poupança de combustível de até 18%, completa-se com um motor elétrico de 178 CV intercalado entre o motor Diesel e a caixa de velocidades. Todo o sistema é gerido a partir da unidade de potência HPI, que não é mais do que uma caixa situada na lateral esquerda do chassis. Nela agrupam-se a bateria de iões de lítio de 7,4 kWh, o inversor que transforma a corrente continua dos acumuladores em alterna e um conversor que realiza as funções de alternador e que transforma a corrente de 650 para 24 volts para alimentar o motor elétrico. 
Por causa das altas temperaturas do funcionamento, todo o conjunto conta com um circuito de refrigeração que, tal como sucede com o óleo da caixa de velocidades, dispõe para a sua refrigeração de um dissipador com um ventilador elétrico.

Aos comandos do G320 Hybrid e apesar do tablier não parecer ser diferente do habitual neste modelo, a verdade é que a informação mostrada no painel de instrumentos é totalmente diferente, assim como alguns botões que colocam o sistema em marcha. 
No painel, aparecem alguns indicadores com escala que nos mostram a quantidade de bateria que ainda temos, enquanto o indicador acima informa do consumo que estamos a fazer. Temos ainda o indicador da percentagem de energia que estamos a recuperar no momento da travagem. 
Ao contrário do que acontece num odelo convencional, neste Scania Hybrid não há qualquer problema em pisar o travão, pois assim estamos a contribuir para que as baterias carreguem energia.
A verdade é que é o condutor que precisa de uma reprogramação mental, uma vez que deverá impor uma condução diferente da habitual com o objetivo de conseguir o máximo aproveitamento das possibilidade ecológicas deste camião. 
A pressão no acelerador tem de ser feita com suavidade, o que vai permitir que entre em funcionamento apenas o motor elétrico, pois se tentarmos arrancar de forma rápida, obrigatoriamente o sistema vai buscar gasóleo para assegurar a aceleração. 
Escolhemos o modo económico dos três que nos ofrece e o programa escolhe imediatamente a 5ª relação para colocarmos em marcha este veículo. Pressionamos suavemente o acelerador e arrancamos em absoluto silêncio, enquanto as relações de caixa passam de forma consecutiva e vamos aumentando a velocidade. A diferença para um camião “normal” acontece no momento em que levantamos o pé do acelerador para reduzir ou manter a velocidade, devemos também começar a pisar o travão para recuperar a energia que se produz sempre que o motor elétrico atua como um alternador.
O camião mantém a inércia e desliza com facilidade, enquanto que no painel de instrumentos vemos como vai crescendo a percentagem de energia recuperada. A própria caixa de velocidades também ajuda a realizar a recuperação de energia.


Acrescentar comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMA EDIÇÃO
Siga-nos no Facebook